04/06/06

Até Sempre Raul Indipwo.


30 de Novembro de 1933 - Barreiro, 4 de junho de 2006
(clicar na imagem)

 Muito de mim Raul parte contigo. Ficam os sons dessa Terra que tudo me deu e tudo me tirou excepto... as Recordações.




Aiuê Angolê.

5 comentários:

Anónimo disse...

Estou impressionadissima, sem palavras.
Márius obrigada, um beijo
por este trabalho, que saudade destes dois,quando os vi uma vez ao vivo no clube de s.paulo, dois garotos lindos com África na alma.Hoje temos a saudade e a musica deles, viverão para sempre em nossos corações.
Mais uma vez Márius obrigada, és um doce de pessoa, que o teu caminho seja de luz e paz, bem hajas. beijo inté

Anónimo disse...

Tambem eu garota, fiquei impressionado com o que este "mafarrico" escreveu.
Vocês têm muito mais para contar daquela terra abençoada do que eu, mas mesmo comendo o pão que o daibo amassou, não escondo a minha tristeza por ver como as coisas se complicaram, vocês mais que ninguem porque vos retiraram a vossa meninice que nesta vida já não volta mais, mas existe o amanhã e a vossa tenacidade e força de viver que vos permite ainda hoje sentir Abgola como se ainda pisassem aquela terra.
Um abraço para o Márius e outra para a autora do desabafo, INTÉ.
josé Lessa

Manuel Amaral disse...

Palavras,para comentar o que sinto quando me lembro do duo Ouro Negro,dificilmente encontrarei.Fazem-me lembrar de muitas coisas,que directa ou indirectamente,têm que vêr com eles.Foi uma época muito boa musicalmente para a qual o Duo Ouro Negro contribuiu muito.Quando foram a Nova Lisboa,em 1964,se não erro,trabalhava eu na Mina do Cuima,a 80KMS de N.Lisboa.Fui de motorizada do Cuima e,depois do espectaculo deles,voltei á mina pois ía pegar ao serviço ás 5 horas da manhã.Nesse espectáculo estava o Ernesto Lara.Um abraço de saudades.Manuel Amaral

Anónimo disse...

Para sempre,nunca esquecerei quem como ningém,cantou e amou ANGOLA,até sempre.Nunca tive a felecidade de os ouvir pessoalmente.Até sempre Duo Ouro Negro.

Anónimo disse...

Aqui deixo o meu pesar,embora tardio.Nunca esquecerei,o Duo Ouro Negro,que ouvia na infância em Angola.De mim, também vai um bocado.Até sempre.Obrigado Mário.por tudo.Inté ,caté e até.