25/03/09

Bar Cravo



  Bairro de S. Paulo, Bar Cravo na esquina entre a Travessa de S. Paulo e a Rua dos Pombeiros.

  A acompanhar as Nocais, lá vinham uns camarões, uns pratinhos de torresmos, ou uma dobrada bem picante de jindungo que era para se beber mais cerveja para “apagar” o fogo que nos consumia as entranhas.

  O amigo Mota, empregado do bar, deambulava por ali servindo as mesas com profissionalismo e quando nos via, a mim e aos meus dois irmãos, dizia: «Ali vêm os irmãos McGregor’s»

  Mas desta vez estava no Bar sozinho. Bebia sem moderação, não ia conduzir, também não podia pois ainda não tinha carta e naquela altura não havia o slogan se beber não conduza. Curioso é que as estatísticas dizem que 30% dos acidentes são provocados pelo excesso de álcool, o que significa que os outros 70% são provocados por quem bebe... água! Devia era ser proibido beber água antes de conduzir!


  Mas voltemos ao Bar Cravo. Mesmo com a guerra civil dentro de Luanda, aquele bar estava sempre cheio e como a cerveja já não abundava, tinha-se obrigatoriamente que ser acompanhada com pratinhos dos ditos cujos, a pagar claro. Eram pratos empilhados cheios de torresmos, dobrada e afins mas a mesa cheia de garrafas vazias de Cucas e Nocais que a sede apertava e o calor era imenso.

  De regresso a casa, morava na Rua do Lobito, já com as ideias um pouco difusas, sentei-me no meu quarto e na semi-obscuridade, escrevi... escrevi... escrevi!..

Trevas


                                            Com o cérebro toldado
                                            Por vagas alcoólicas ingeridas,
                                            Versos relembrando o passado,
                                            Coisas de há tanto tempo, volvidas.

                                            Na tristeza e solidão.
                                            Lembro-me de coisas queridas,
                                            Recordo com emoção
                                            Extractos da minha vida.

                                            Minha terra à beira-mar,
                                            Que me chama a clamar,
                                            Ondas na areia batendo,
                                            Meu queixo de frio tremendo.

                                            Gente conhecida vai passando,
                                            Na minha imaginação febril,
                                            Loucuras na mente vagando,
                                            Meu cérebro com as trevas lutando.

                                            Ai, quantas viagens infinitas!
                                            Na escuridão imaginando,
                                            Quantas filhas paridas,
                                            Com fome e sede gritando.

                                            Oh!.. que mundo cruel,
                                            Que lembra o fel sobre o mel,
                                            No peito de alguém tem guarida,
                                            Os soluços de uma mulher perdida.

                                            Procuro novamente concentrar,
                                            Minhas ideias toldadas,
                                            Procuro-me encontrar,
                                            Loucura e imaginação aliadas.

                                            Continuo neste mundo de trevas,
                                            No qual o álcool me ajuda,
                                            Lembro os horrores das guerras,
                                            À geração futura.

                                            E nesta escuridão sem fim,
                                            Escrevo coisas de mim.


                                            Tu mulata nocturna,
                                            Que meu coração queres agarrar,
                                            Teus olhos são como luzes mudas,
                                            Que reflexos querem lançar.

                                            Mas ó coração!,
                                            Que o cérebro toldado não vê,
                                            Que começa uma paixão,
                                            Mulata, tens-me à tua mercê.

                                            Sonhos e mais sonhos,
                                            Na cabeça vão passando,
                                            Continua o cérebro toldando,
                                            Pensamentos no coração os ponho.

                                            Quanta desilusão,
                                            Ébrio continuo escrevendo,
                                            Versos que saem do coração,
                                            Coração quase morrendo.

                                            Mas que sopro de vida,
                                            Na penumbra contra a morte lida,
                                            Abre-se um sorriso no peito tremente,
                                            Mulata, no teu coração, dá-me guarida.

                                            Continuo vagando,
                                            Em emoções sem fim,
                                            Mas que queres tu minha vida?!
                                            Que queres tu mais de mim?!

                                            Meu peito abre-se em pranto,
                                            Lágrimas vou enxugando,
                                            Tristeza quão galeão,
                                            Em minha alma vai navegando.

                                            Os tímpanos a arrebentar,
                                            Olhos tristes a chorar,
                                            Será realidade meu Deus?…,
                                            Ou serão sonhos meus?…

                                            Ao longe música suave escuto,
                                            Relembrando o meu passado,
                                            Contra as trevas luto.
                                            Trevas do meu cérebro toldado.

                                            Maldito álcool sejais,
                                            Mas continuo a beber mais,
                                            Porquê isto?...não sei,
                                            Contra as trevas, não mais lutei.

                                            Meu coração está vazio,
                                            Rio-me neste mundo perdido,
                                            Atinjo o auge da loucura,
                                            Ai vida que me tortura!

                                            Continua a mente vagando,
                                            Recordações vão passando,
                                            Mas…, tenho que reagir,
                                            Não…, não quero partir,
                                            Para o mundo do além,
                                            Mas peço ajuda a quem?!
                                            Não tenho ninguém.

                                            Suor escorre pelo meu rosto,
                                            Sujo como negro fosso,
                                            Negro cavalo, alfanje em punho,
                                            Caveira horrenda, negro manto roto,
                                            Minha alma está querendo matar,
                                            E eu, sem forças, estou a rezar.

                                            E,… milagre meu Deus!
                                            O cérebro das trevas se afastou,
                                            Os pensamentos são novamente meus,
                                            E,… quem me ajudou?!!!…

«Mário vem comer, o jantar está na mesa» - Ouvi ao longe, a voz da minha Mãe!

Luanda-1970

Marius70

13/03/09

Regresso ao Passado...





 Todos nós, durante um período da nossa infância ou mesmo na nossa juventude, fizemos sempre uma pequena colecção; de selos, de soldadinhos, de cromos (não desses que se vêem muito hoje em dia na televisão), de moedas, de caixas de fósforos e outras que fizeram a delícia da nossa meninice. As trocas que fazíamos com o parceiro: - «Toma lá o Camões 16 e troca-me pelo 24 do Lucky», apontando no quadriculado os nºs que tínhamos e aqueles que nos faltavam e assim pouco a pouco mais uma colecção ficava pronta. E era isto durante anos. Hoje ainda continuo a fazer colecções, não de cromos, mas de selos e moedas de todo o mundo, de soldados de chumbo (onde pontificam os romanos) e de damas de trajes antigos. Mas há colecções que ficaram gravadas na nossa memória, as de Banda Desenhada.

 Que saudades do Mandrake e o seu companheiro Lotário, do Mascarilha e do seu cavalo Silver, do Tarzan, do Batman, do Roy Rogers, do Zorro, do Kit Karson, do Buffalo Bill, Sir Lancelot, do Cisco Kid e do seu Corisco e tantos outros Heróis da BD. Eram o «Mundo de Aventuras», o «Falcão», o «Condor», as «Selecções», o «Príncipe Valente», o «Mosquito». Era o ir ao quiosque do Sr. Antas, ali na esquina entre a Paiva Couceiro e a Rua Missão de S. Paulo (eu, os meus irmãos, o amigo Flávio, Tonito, o amigo Luís “Piriquito” éramos clientes assíduos) e, entre uma compra levava-se dois dentro da camisa. E “devorávamos” aquilo. No dia seguinte íamos lá trocar por outros e claro que pagávamos uma quantia (que não preciso agora) e era assim que esse mundo de fantasia que a BD nos dava, que fazia de nós os heróis de muitas aventuras, ora brincando de polícias, aí éramos o Dick Daring, ou lançávamos de cipós (cordas) como o Tarzan (tanto nas barrocas como no embondeiro que existia no baldio por detrás do quiosque).



Quiosque do Sr. Antas à esquerda. Mais tarde, nesse baldio, seriam construídos prédios e lá se foi o Quiosque


 Não sei se hoje a juventude ainda lê e vibra com as aventuras da BD. O que vejo são crianças sentadas em frente ao televisor, não exercitando o corpo todo numa luta contra os maus mas somente exercitando os dedos num jogo de uma “playstation” qualquer.

 

 

 

 

 



Também tu Jane?!... Também tu não compreendes os homens? «Mi Tarzan...»